27 de setembro de 2014

Cinco principais "evidências" para existência de vida após a morte.

Quando observado desde sua perspectiva teórica, o Espiritismo fornece um panorama admirável, que demonstra os diferentes graus de manifestação da consciências (Espírito). Esses  graus surgem de formas diversas, frequentemente considerados separados do ponto de vista fenomenológico, mas que mostram a operação de um mesmo e único princípio. Esse princípio é independente da matéria, mas está em parcial interação com ela.

Entretanto, os que não conhecem os princípios espíritas e que estão distantes de considerações filosóficas muitas vezes recebem notícias e reportagens sobre uma variedade grande de "fenômenos anômalos". Esse é o caso de uma grande comunidade de interessados nas teses da sobrevivência (1), em diversos países. O livro "Pare de se preocupar! Provavelmente há vida após a morte" (2) de G. Taylor é um exemplo que resume esse estado de coisa. O título define o grau de envolvimento do autor com a tese: o uso do advérbio 'provavelmente' (em itálico) indica que são apenas possibilidades. Cinco dos principais grupos de fenômenos que são considerados por Taylor "evidências" de vida após a morte são:

1 - Experiências de quase morte "verídicas". O qualificativo "verídica" se aplica às experiências de quase morte em que o paciente reporta a observação de fatos e experiência no "plano material" que são posteriormente confirmadas, fatos "verídicos" que ele não poderia ter conhecido de outra forma porque estava passando pela experiência de quase morte;

2 -  Experiências "Peak-in-Darien". Denominação apenas conhecida de "especialistas" em experiências de leito de morte (3). Trata-se de relatos de pessoas nos instantes finais de vida, que descrevem a presença de parentes falecidos, inclusive contatos com parentes considerados ainda "vivos", porém que realmente se encontram falecidos. Isso acontece porque os que se cercam do moribundo ainda não sabem da situação atual do parente recém falecido.

3 - Mediunidade. A conhecida faculdade de entrar em contato com Espíritos, bastante estudada por Kardec.

4 - Fenômenos de leito de morte. Embora seja comum que pessoas que se avizinhem da morte relatem contatos com parentes falecidos ou outras experiências consideradas extraordinárias (EQMs), há relatos de pessoas sãs, que acompanham esses desenvolvimentos, e que também experimentam "visões". Algumas dessas ocorrências envolvem enfermeiros que percebem uma luz irradiada do paciente, que toma toda a sala e que envolve os que nela estão. Há relatos de testemunhas que observam irradiações deixando o corpo do paciente no momento da morte.

5 - Combinações de mediunidade e visão de leito de morte. Experiências de quase morte que são parcialmente descritas por médiuns, ou informações confirmadas por médiuns em apoio ao que pacientes ouviram e viram durante uma EQM. O mais interessante desses relatos semelhantes a EQM através de médiuns é que eles foram compilados muito antes que os fenômenos de EQM se tornassem populares. 

O que falta para que todas essas "evidências" sejam aceitas? Já discutimos aqui bastante que evidências a respeito de um fenômenos nunca são aceitas antes de uma teoria ou explicação. Há inúmeros casos na história da ciência em que fenômenos foram desprezados sumariamente, simplesmente porque não se entendia corretamente seus mecanismos. Dai o cuidado do autor em apresentar a sobrevivência como uma "possibilidade".

Aqui dá-se algo parecido. Portanto, a rota para sua compreensão maior passa pela aceitação tácita dos conhecimento dos mecanismos de produção, dos elementos geradores (Espírito, perispírito, faculdades do Espírito) para então aceitá-los completamente. 

Referências e notas

(1) Teses que se distinguem do Espiritismo em alguns aspectos, mas que guardam com ele alguma relação, a saber, que defendem a sobrevivência da consciência à morte física.

(2) G. Taylor (2013), "Stop Worrying! There Probably Is an Afterlife". Ver http://www.amazon.com/o/ASIN/098742243X/thedailygrail

(3) B. Greyson (2010) "Seeing Dead People Not Known to Have Died: 'Peak in Darien' Experiences",  Anthropology and Humanism, Vol. 35, Issue 2, pp 159–171, ISSN 1559-9167.



10 de setembro de 2014

O singificado maior das crises

Centro de gerenciamento de crises: Não estou certo de que "todo mundo morre" é um bom plano emergencial.
Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado neste 
mundo denote a existência de uma determinada falta. 
Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito 
para concluir a sua depuração e apressar o seu progresso. 
Assim, a expiação serve sempre de prova, mas 
nem sempre a prova é uma expiação.(...) 
(A. Kardec, ESE, Cap. 5, 
"Bem aventurados os aflitos", Parágrafo 9. 
Uma crise sempre revela uma consequência de algo que não foi feito direito antes ou de ação tomada no passado erroneamente. Sofremos a consequência do passado que vive em nós porque somos seu produto. Sabemos pelos Espíritos que nossas ações hoje têm dois objetivos: o de resolver problemas e atuar sobre acontecimentos presentes, resultando em ganhos ou prejuízos morais e financeiros imediatos, assim como atuar no futuro, onde colheremos sistematicamente ganhos ou prejuízos. 

Como consequência disso, se deixamos de agir hoje com vista ao futuro, ou não colheremos nada ou deixaremos de ganhar algo. Essa é uma das condições para se instalar uma crise. A literatura espiritualista recente adotou a palavra “karma” para designar a conjunção dessas condições passadas que geram hoje resultados negativos. A palavra usada por Kardec foi “expiações”. Embora a diferença enorme nos vocábulos, seu significado é mais ou menos o mesmo, com compreensíveis modificações em relação ao termo original em sânscrito. 

A compreensão maior da vida descreve nossa existência como um “continuum” de dois grandes fluxos: o fluxo dos acontecimentos de nossas ações no plano material e um fluxo de ações e consequências no plano espiritual. Como estamos imersos nas duas realidades, qualquer ação material também tem seu significado espiritual, assim como a influenciação espiritual pode nos levar a exercer determinadas ações materiais. É uma pena que a imensa maioria dos encarnados no globo, por diversas razões, ignore tanto um como outro aspecto; no máximo sentem o tempo escorrer diante de si, incapacitados de inferir qualquer conclusão do fenômeno. Mas, o mais extraordinário a respeito da lei maior é que não é necessário saber de sua existência: ajustes são conseguidos através da dinâmica das crises. 

Emmanuel na obra "Estude e Viva" (Ed. FEB) define as condições para o surgimento das "crises sem dor", que seriam a crises de situação, não necessariamente ligadas à doença:
Temos, porém, calamitosas crises sem dor, as que se escondem sob a segurança de superfície:
- quando nos acomodamos com a inércia, a pretexto de haver trabalhado em demasia...

- nas ocasiões em que exigimos se nos faça o próximo arrimo indébito no jogo da usura ou no ataque da ambição...

- qualquer que seja o tempo em que venhamos a admitir nossa pretensa superioridade sobre os demais...
- sempre que nos julguemos infalíveis, ainda mesmo em desfrutando as mais elevadas posições nas trilhas da Humanidade...
- toda vez que nos acreditemos tão supostamente sábios e virtuosos que não mais necessitemos de avisos e corrigendas, nos encargos que nos são próprios...
Nesses casos, portanto, as condições de aparecimento da crise estão quase que exclusivamente ligadas a questões morais.  Tais situações caracterizam muito o que foi deixado para trás mal feito. Nosso apegos e ilusões criam obstáculos que nos prendem ao passado, que nos impedem a renovação. Mas, a renovação vem inexoravelmente e se manifesta como uma crise da qual, muitas vezes, procuramos fugir, assustados. Durante as crises, os saldos negativos no fluxo espiritual são quitados porque novas perspectivas são geradas para o futuro. A vida verdadeira é a do fluxo espiritual, razão por que o que se perde na matéria em nada faz perder no espiritual. Essa realidade deveria ser suficiente a quem já dispõe de largos conhecimentos a respeito da vida maior. Entretanto, a realidade física é muito forte e nos envolve de tal forma que, muitas vezes, olvidamos o ensinos e as lições superiores.  

Devemos assim considerar as crises como respostas da conjuntura, do “Universo” ou do ambiente às ações que nele operamos. Muitos contra-argumentarão dizendo que se sofre injustamente na vida mesmo sem nada fazer. Porém, “não agir” também é uma espécie de ação e do tipo negativo. Quem quer que espere nada sofrer por não agir certamente sofrerá. As leis maiores esperam que exerçamos ações que permitam, no futuro, a colheita certa. Assim, aquele que esbanja dinheiro e fortuna muitas vezes é obrigado a enfrentar com a falta; o que excessivamente acumula dinheiro é obrigado a lidar com situações que não se resolvem com o dinheiro; o que desafia a saúde se defronta com a doença; o que nada faz tem que se virar para continuar vivo. Mas, não necessariamente o que se enfrenta está ligado à ação negativa feita no passado. O Universo nos empurra para frente todas as vezes que faceamos uma situação nova, tenha ela origem no passado ou não. À conta dos débitos acumulados se somam as lições ainda a serem aprendidas. Portanto, há que se lutar sempre.