29 de novembro de 2012

Vácuo quântico na obra mediúnica de Chico Xavier?

A 'estática do Nada' também aparece nesse poema de Augusto dos Anjos encarnado, narrado aqui por Othon Bastos.

O título deste post remete a outro que foi  recentemente publicado no Portal Saber por Dauro Mendes (Ref. 1). Nele uma aparente relação entre o poema 'Homem-célula' (Ref. 2) do Espírito de Augusto dos Anjos (1884-1914), originalmente publicado em 'Parnaso de Além Túmulo' (psicografia de Chico Xavier, 1936) e a existência do 'vácuo quântico' é comentada. Mendes, no final do post, faz o seguinte questionamento:
Estaria o espírito de Augusto dos Anjos falando do Vácuo Quântico como elemento criador, como elemento criador de realidades físicas, como fonte de criação Divina, como expressão criativa, DE CRIAÇÃO, das LEIS DIVINAS? (Ref. 1, grifos do autor)
O autor propõe então uma análise do termo 'estática do Nada' que aparece em 'Homem-célula'. No que segue analisaremos essa "interpretação física" do poema.

Veremos que, em que pese a similitude vaga de termos que levaria à sequência de raciocínio nesse post do Portal Saber, a proposta exagera no relaxamento da semântica das palavras e despreza o verdadeiro papel da poesia.

Uma observação inicial

Antes de entrar na análise do ponto de vista da física, o Dr. Alexandre Caroli informa que:
"Estática do Nada" já existe no Augusto dos Anjos não espírita. O poema "Homem-célula", sobre a evolução do elemento espiritual, dialoga com o soneto "O lamento das coisas", da obra oficial do Augusto dos Anjos. (Ref. 4)
Grifamos o termo nas duas poesias para facilitar a identificação (ver Refs. 2 e 3). Portanto, o soneto citado por Dauro Mendes é um exemplo excelente de identificação cruzada de temas entre a obra psicografada e  do autor 'vivo'. Então, será que Augusto dos Anjos de antes de 1914 já sabia sobre o vácuo quântico?

Ou não seria isso resultado de uma análise no mínimo exaltada do Portal Saber?

Poesia interpretada como ciência?

A proposta de interpretação do termo 'estática do Nada' por D. Mendes é apresentada abaixo:
Estática nos remete a CAMPO ELETROSTÁTICO ao qual está associada a ENERGIA. Então, ESTÁTICA DO NADA significa A ENERGIA  DO “NADA” ( e vejam que o espírito colocou o N da palavra Nada com letra maiúscula nos chamando a atenção, dentre outras possíveis interpretações, para o fato de que este NADA É UMA FONTE DE CRIAÇÃO, não é um nada, é um PLENUUM), que tem tudo a ver com o VÁCUO QUÂNTICO. Essa ESTÁTICA DO NADA é um ARSENAL DE FORÇAS VIVAS criadoras. (1, grifos do autor)
Notamos que o autor encarnado também usa letra maiúscula com a palavra 'Nada' (Ref. 3). Isso é outro ponto de equivalência com a versão mediúnica.

Deixando de lado a questões de 'licenças poéticas' ou distorção no significado original das palavras que existem fortes e abundantes na obra de qualquer poeta (isto é, assumindo que temos autorização para fazer isso, ver 5), do ponto de vista da física acrescentamos  que o 'vácuo quântico' não é um campo eletrostático como afirmado por Mendes. O tal vácuo, que é descrito modernamente como um estado fundamental do campo eletromagnético, nada tem de 'estático'.

Assim, por várias razões, é um absurdo tomar o termo 'estática do Nada' como algo que possa ser relacionado - ainda que remotamente - ao conceito de 'campo eletrostático' e esse com o vácuo. 

A análise feita também confere a esse vácuo o status de Divindade ao propor que ele 'é um arsenal de foras vivas criadoras' ou como descrito no post:
O Vácuo Quântico, como temos mostrado, é a fonte geradora, criadora, e sustentadora, do nosso Universo e de tudo que existe nele... (Ref. 1)
A exaltação é assim evidente.

O conceito de 'nada' e a questão #36 de 'O Livro dos Espíritos'

A resposta à questão #36 de 'O Livro dos Espíritos' (sobre a inexistência do vácuo) está em pleno acordo com o conhecimento da época (o que possibilitou que a resposta fosse dada). Para entender isso, basta considerar a análise que segue abaixo.

É verdade que a física clássica poderia levar a algumas interpretação do vácuo como 'ausência de qualquer coisa'. Isso acontece porque, nessa física, a maior parte das iterações entre constituintes da matéria (átomos ou partículas) eram concebidas como 'forças de contato' e havia a crença de que seria possível esvaziar o espaço totalmente desses elementos, a ponto que ele apenas teria como propriedade o próprio espaço. Sustentar de forma definitiva que a física clássica se opunha a uma visão moderno de 'vácuo preenchido por algo que escapa aos sentidos' é, entretanto, um equívoco.

Lembramos que na própria física clássica já existiam elementos para o preenchimento do vácuo com algo invisível. Afinal, apenas uma 'força invisível' (Lei da Gravitação) poderia fazer os planetas gravitarem em torno do Sol. Essa 'força invisível' preencheria o espaço vazio com algo, de forma que, rigorosamente falando, não se poderia defender de forma consistente a noção de vácuo como o 'nada'. Depois, com o descobrimento da força elétrica e magnética (Lei de Coulomb etc), outro conceito (o do campo eletromagnético) preenchendo o vazio foi  acrescentado. 

Assim, é preciso fazer justiça aos físicos clássicos que acreditavam na existência do éter como elemento que preencheria o espaço vazio. Essa substância seria responsável pela transmissão das forças 'à distância' (tais como as forças gravitacionais e elétricas). Portanto, a ideia de vácuo como uma 'substância' que não correspondente à ideia de 'vazio' já existia plenamente na física clássica que antecedeu a revolução  quântica. 

Conclusões 

Algumas pessoas dentro do movimento espírita têm extrapolado interpretações da física quântica ou microfísica como validação ou sanção ao conhecimento espírita. Conceitos avançados como campos, energias e partículas invisíveis naturalmente são tomados a conta de comprovações para outros conceitos como perispírito, fluidos etc. Já discorremos bastante sobre isso em outros posts (Ref. 6).

Essa empolgação tem sua razão de ser, afinal seria ótimo que a Ciência da matéria já 'comprovasse' tais princípios, embora isso de nada ajudasse a melhor a compreensão pelos espíritas dos princípios que dizem defender.

Mas, esta visão - a de que os Espíritos teriam previamente revelado conceitos avançados que agora cientistas estão a descobrir - esbarra em uma noção mais profunda do caráter da revelação espírita.

Toda a razão ou objetivo último do conhecimento espírita genuíno é o progresso moral da Humanidade. Apenas aquilo que importa para esse progresso é cuidadosamente esclarecido, mesmo assim em caráter de interpretação provisória. Seria tudo muito fácil se apenas tivéssemos que aguardar revelações de Além Túmulo com relação à descobertas que ainda devem ser feitas e que devem resultar, necessariamente, de esforço próprio dos homens:
"Em virtude desse princípio é que os Espíritos não acorrem a poupar o homem ao trabalho das pesquisas, trazendo-lhe, já feitas e prontas a ser utilizadas, descobertas e invenções, de modo a não ter ele mais do que tomar o que lhe ponham nas mãos, sem o incômodo, sequer, de abaixar-se para apanhar, nem mesmo o de pensar. Se assim fosse, o mais preguiçoso poderia enriquecer-se e o mais ignorante tornar-se sábio à custa de nada e ambos se atribuírem o mérito do que não fizeram." (A. Kardec, O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo XXV , parágrafo 4)
Portanto, é preciso cuidado e discernimento para não 'sobre interpretar' ou distorcer afirmações mediúnicas de qualidade (como as de Chico Xavier) que tenham sido dadas em contextos totalmente desconectados dos objetivos dessas interpretações. 

Notas e Referências

1 - Vácuo Quântico na obra mediúnica espírita (por Dauro Mendes). Acesso em 29 de Novembro de 2012;

2 - Poema 'Homem-célula' na íntegra:

Homem! célula ainda escravizada
Nos turbilhões das lutas cognitivas,
Egressa do arsenal de forças vivas
Que chamamos – estática do Nada.

Sob transformações consecutivas,
Vem dessa Origem indeterminada,
Onde se oculta a luz indecifrada
Dos princípios das luzes coletivas.

Vem através do Todo de elementos,
Em sucessivos aperfeiçoamentos,
Objetivando a personalidade,

Até achar a perfeição profunda
E indivisível, pura, e se confunda,
No transcendentalismo da Unidade.

3 - Poema 'O Lamento das Coisas' postumamente publicado em 'Outras Poesias' (enviado por A. Caroli):

Triste, a escutar, pancada por pancada,
A sucessividade dos segundos,
Ouço, em sons subterrâneos, do Orbe oriundos,
O choro da Energia abandonada!

É a dor da Força desaproveitada
- O cantochão dos dínamos profundos,
Que, podendo mover milhões de mundos,
Jazem ainda na estática do Nada!

É o soluço da forma ainda imprecisa...
Da transcendência que se não realiza...
Da luz que não chegou a ser lampejo...

E é em suma, o subconsciente aí formidando
Da Natureza que parou, chorando,
No rudimentarismo do Desejo!

4 - Correspondência particular.

5 -  Poesia é uma arte e não guarda relação alguma com a Física.

6 - Ver por exemplo: Física Quântica e os espiritualistas no século 21 (análise preliminar)

16 comentários:

  1. Ademir,

    Argumentação clara e sensata. Parabéns pelo trabalho.

    Jáder Sampaio

    ResponderExcluir
  2. Olá Ademir,

    Concordo 100% contigo! Infelizmente, o movimento espírita tem cedido à algo que eu chamaria de "misticismo quântico". Misticismo porque sem entender bem de Mecânica Quântica (os próprios físicos tem suas dificuldades de interpretação) muitas pessoas usam-na para tentar explicar e descrever fenômenos espíritas ou espiritualistas que, por sua vez, ainda são objetos de estudo e pesquisa.

    Apesar da boa intenção em querer valorizar cientificamente o Espiritismo, a forma superficial como conceitos da Física tem sido usados para explicar fenômenos espíritas está tendo efeito contrário: afasta aqueles que tem bom senso e conhecem ciência de modo mais profundo.

    Mais uma vez, muito bons o texto e explicações!

    Um forte abraço,
    Alexandre Fontes da Fonseca

    ResponderExcluir
  3. Boas reflexões... o diálogo pode sem dúvida levar a conclusões sempre mais acuradas sobre qualquer assunto. Mas discordo que poesia, arte e ciência não possam ter relação.
    Vamos somando e aprendendo sempre. Abs
    Guilherme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme

      Entendo e concordo com seu ponto de vista quanto à relação entre poesia (arte) e ciência. Mas, acho que isso é motivo para um debate algo mais sofisticado e, certamente, não guarda relação com o que foi feito no artigo criticado.

      Excluir
  4. VÁCUO QUÂNTICO NA OBRA MEDIÚNICA DE CHICO XAVIER? PARTE (1)

    Se enganam aqueles que acham que eu não conheço física!!!

    Prezados, quando estamos lidando com O ESPIRITISMO, o que implica em lidar
    com O CRISTO, temos que procurarmos ser o mais justo e o mais correto
    possível, sob pena das consequências que podem advir se insistirmos em agir de forma diversa.

    A avaliação publicada no site* Era do Espírito,* a respeito da matéria veiculada no Portal Saber, mostra uma interpretação equivocada do conteúdo
    do nosso texto.* Eu nunca cometeria o erro primário de afirmar que o vácuo quântico é um campo eletrostático, ** **de associar campo eletrostático com o vácuo quântico (tanto o eletromagnetismo como as flutuações quânticas relacionadas ao vácuo quântico, são pautados pela dinâmica e não pela estática), não foi isso que eu relacionei*, como também não tenho
    autoridade para afirmar exatamente o que o Augusto dos Anjos realmente quis dizer. Só ele o poderia fazer (lembrando que sempre existe a possibilidade de Augusto dos Anjos encarnado querer dizer uma coisa com uma expressão e desencarnado, adquirindo conhecimento mais amplo, querer dizer outra coisa, ou mais coisas, com a mesma expressão).

    *Também não afirmei, não fui taxativo, quando sugeri que estática do nada significava vácuo quântico*. Coloquei tudo no campo das possibilidades e da provocação reflexiva (esse é o significado da interrogação no final do título). *A relação que fiz, como possibilidade, foi puxar a palavra estática, relacioná-la com o conceito antigo de campo eletrostático,
    conceito este que relacionei com ENERGIA (pois a campos físicos como o eletromagnético está associada a ENERGIA). A palavra ENERGIA é que eu
    juntei com a palavra NADA formando a expressão ENERGIA DO NADA e esta expressão, é que eu associei com VÁCUO QUÂNTICO, COMO POSSIBILIDADE NÃO COMO CERTEZA, **uma vez que** muitos físicos gostam de descrever e de caracterizar o Vácuo Quântico como uma fonte que gera ENERGIA DO NADA.*

    *Ademir, você também afirma que eu conferi ao Vácuo Quântico o status de Divindade ao propor que ele é um arsenal de forças vivas criadoras. Afirmação totalmente incorreta. O que eu disse, sempre no campo da possibilidade, foi que o Vácuo Quântico (o qual ainda não é bem conhecido e entendido pela física), pode ser um veículo, um elemento, uma realidade, através do qual O PENSAMENTO E A VONTADE DE DEUS possa se expressar, possa
    se manifestar, possa agir. O Fluído Cósmico Universal é descrito pelo Espiritismo como o veículo, o meio físico, pelo qual a VONTADE E O
    PENSAMENTO DE DEUS se expressam para criar as coisas. Não poderia ser o
    Vácuo Quântico algo semelhante? Não poderia ser ele uma expressão, um efeito, do Fluído Cósmico Universal, uma forma do Fluído Cósmico Universal se manifestar, se apresentar? Quem tem conhecimento e autoridade suficiente para afirmar de forma absoluta que não?*

    Prezado Ademir, você também afirma, COMO SE EU TIVESSE DITO ISTO OU COMO SE EU TIVESSE DESEJADO DIZER ISTO, COISA QUE NÃO FIZ, que “sustentei de forma definitiva que a física clássica se opunha a uma visão moderna de vácuo preenchido por algo que escapa aos sentidos”. Eu não falei nada sobre isto e não fiz nenhuma análise ou reflexão sobre este ponto. Eu somente falei que a física de hoje não acredita na existência do NADA, e isto não é um consenso absoluto na física, como nada é. Não quis dizer também que os físicos antigos acreditavam que o espaço existente entre os objetos físicos fosse preenchido pelo vazio, pelo NADA. Quem conhece um pouco de física clássica está familiarizado com os conceitos de éter, de campo eletromagnético, de campo gravitacional em que eles acreditavam na época, e que preencheriam este espaço “vazio”. Então não cometi nenhuma injustiça com os físicos clássicos porque não falei e nem afirmei o que você disse que eu falei.

    Dauro Mendes (continua...)

    ResponderExcluir
  5. VÁCUO QUÂNTICO NA OBRA MEDIÚNICA DE CHICO XAVIER? PARTE (2)


    O Espiritismo veio para aprimorar a MORAL HUMANA E O CONHECIMENTO HUMANO, concordo plenamente com isso. Daí, entendermos o que OS ESPÍRITOS
    SUPERIORES querem ou não dizer é um trabalho que cabe a nós encarnados realizarmos através da interpretação, processo que não pertence com exclusividade a nenhum grupo único.

    Eu estive pessoalmente com o Chico Xavier por quem tenho profundo respeito
    e o tenho como um modelo a ser seguido. Considero a obra dele, e a dos Espíritos que se manifestaram através dele, SAGRADA. Você está equivocado
    em sugerir que eu estou *SOBRE INTERPRETANDO* a obra dele. O que temos
    feito, aos poucos, dentre tantos outros trabalhos que realizamos, é
    apresentar importantes descobertas da ciência e ver se elas podem ser relacionadas com o Espiritismo dentro do possível e do razoável, mas nunca afirmando nada, porque nem nós, e nem nenhum grupo de estudiosos e de pesquisadores, NENHUM, tem a autoridade para falar de forma absoluta pela CIÊNCIA e pelo ESPIRITISMO, ou pelos ESPÍRITOS SUPERIORES.

    Nenhum de nós está certo em tudo e nenhum de nós está certo o tempo todo, por isso temos muito cuidado em não afirmarmos nada. Colocamos tudo no
    campo das possibilidades e aguardamos que o CONHECIMENTO avance e esclareça melhor tudo, todas as coisas.

    Ademais, no mundo de hoje, não possuímos conhecimento suficiente para afirmarmos nada de forma absoluta em relação ao Plano Espiritual, não
    podemos afirmar como ele se estrutura, podemos somente supor. Por outro
    lado, a ciência só nos oferece modelos relativos, limitados e temporários
    de descrição possível da realidade física. Com em torno de trezentos anos
    de ciência a partir de Newton, que é quando vemos a ciência realmente adquirir substância, não podemos usá-la, a ciência, para afirmarmos absolutamente nada. Usamos então a ciência como ferramenta que nos ajuda a TENTAR entender a Realidade Espiritual e as suas LEIS, pois ela certamente
    é regida por leis Naturais e para se tentar entender e compreender leis naturais , o processo indicado para a tarefa é a CIÊNCIA , sempre dentro do possível e do razoável, e às vezes, usando os seus modelos e as suas descobertas somente como analogias para tentarmos entendermos outros
    fenômenos. Mas serão sempre modelos. A ciência é uma das principais ferramentas que a razão humana dispõe para tentar compreender as coisas e é isto que a torna legítima para que a usemos na busca do entendimento e da compreensão de qualquer coisa, inclusive das coisas relacionadas à
    REALIDADE ESPIRITUAL.

    Sendo assim, se vocês quiserem ser realmente corretos e sérios, que é o que parece nos demonstrar os seus trabalhos, pois já li recentemente muitos deles nos seus sites e em outros como o do GEAE, façam as correções necessárias no seu post, nos seus sites, da forma como lhes expliquei. Publicaremos as suas observações e interpretações acompanhadas das nossas reflexões no PortalSaber e em outros lugares, não o fizemos ainda porque outros trabalhos nos solicitam muito.

    Para quem quiser conhecer de fato o trabalho que estamos apresentando e não acompanharem interpretações e conclusões erradas a respeito dos outros, segue o endereço do nosso portal que se chama Portalsaber:

    www.portalsaber.org

    Fraternalmente,

    DAURO MENDES

    ResponderExcluir
  6. Caro Dauro

    Como já conversamos, essas propostas de se misturar espiritismo com física quantica soam como uma estratégia de 'racionalização' de crenças e busca de apoio 'científico' para a realidade espiritual.

    Um pouco de reflexão nos mostra que isso não só é desnecessário como inconveniente.

    É desnecessário porque os fenômenos psíquicos são fatos estabelecidos e independentes, que são suficientes para demonstrar a continuidade da vida além da morte. Se eles não são considerados como tal, o problema é de outra natureza e não será a física quântica que irá resgatar o seu justo valor.

    São inconvenientes porque levam a generalizações e extrapolações que podem não fazer sentido algum e, de fato, hoje sabemos que não fazem. Além disso, a maior parte das pessoas (principalmente aquelas mais racionais) não está interessada em 'possibilidades', mas em certezas. Se não podemos ter certeza com relação a um fato, é melhor rejeitá-lo como diz Kardec.

    Mas, cada um é livre para agir e pensar da forma que julgue melhor e o futuro dirá quem teve a abordagem que mais frutos rendeu.

    Grato por seu comentário.

    ResponderExcluir
  7. Prezado Ademir

    Como já debatemos antes, continuo discordando da sua opinião a respeito dessa questão.

    Pessoas verdadeiramente inteligentes e racionais sabem que nunca lidarão com certezas, mas sempre lidarão com possibilidades, com probabilidades. A certeza não pertence ao domínio do ser relativo mas sim ao domínio do Ser Absoluto, que é o de Deus.

    O Princípio da Incerteza de Heisenberg nos mostrou que a incerteza é intrinseca à natureza, a Teoria do Caos, por sua vez, também nos revelou que não podemos descrever com precisão o estado futuro de determinados sistemas e o famoso Teorema da incompletude (ou indecidibilidade) de Kurt Gödel nos convenceu de que, possivelmente, existem limites para o uso do raciocínio lógico matemático, ou seja, a atual lógica matemática é uma ferramenta limitada para a investigação, para a busca do conhecimento, ela só pode nos levar até um certo ponto do processo de investigação intelectual. Concluímos que pessoas verdadeiramente inteligentes e racionais têm então várias razões para se convencerem que não devem buscar certezas pois elas não pertencem ao universo dos seres relativos, que somos todos nós. Só poderemos lidar com possibilidades, com probabilidades, sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Dauro

      Acho que a melhor maneira de resolver isso é vc escrever um paper ou artigo científico e expor a suas ideias para a comunidade acadêmica ou da ciência.

      Quem se propõe a discutir assuntos seriamente e desse escopo não fica perdendo tempo com opiniões e juízos de valor. Já que vc fala tanto na física e na ciência, é altamente recomendável que usemos os métodos da física e da ciência para resolver isso, vc não acha?

      Eu vou ficar aqui aguardando esse trabalho acadêmico, com referências, desenvolvimento teórico, experimentações e tudo mais, pois é assim que se resolvem, em física, esses debates. Quem sabe não estamos na iminência de uma grande revolução na física e vc não será responsável por ela?

      Saudações.

      Excluir
  8. Ademir

    Não estou entendendo por que você está tirando o meu comentário em resposta às suas equivocadas afirmações! Você pode falar o que quiser das pessoas e quando elas refutam suas opiniões equivocadas você simplesmente deleta o comentário delas do seu blog, como você fez com o debate que travamos no grupo do Marcus Loures? Seu blog é então a ditadura de suas equivocadas ideias?

    Saiba que publicarei todos os dias em outros posts do seu blog esse comentário enquanto você não deixar minhas respostas às suas ideias equivocadas publicadas nele.

    Faço aqui a observação de que não desconheço as eventuais contribuições que você tem dado ao movimento espírita, mas no que você estiver equivocado, ERRADO, caberá sempre a nossa observação no sentido de esclarecer a questão e não ficar valendo a sua EQUIVOCADA opinião.

    Dauro Mendes

    ResponderExcluir
  9. Se você apagar esses comentários eu escolherei os temas mais populares dos seu blog e publicarei neles, todos os dias, esses textos acima, todos eles!!! Mantenha publicado as minhas respostas aos seus equívocos, aprenda a ser correto!!!

    ResponderExcluir
  10. Vocês aos poucos vão se revelando meu caro Ademir, nada como o tempo para derrubar as máscaras. Está sendo formado um consenso a respeito do trabalho de vocês. Adivinhe qual???

    ResponderExcluir
  11. A própria atitude de querer ensinar sem o minimo de respeito para com seu semelhante, já é por si só, contraditório a tudo que diz a respeito da doutrina....
    Aprender ser correto é respeitar também a opinião alheia e estuda-la a afim de esclarecer-se....
    ;)

    Sejamos mais humildes.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro William

      Concordo com o que diz. Mas veja só: o post que está gerando essa polêmica tem aproximadamente 1000 palavras escritas por mim.

      Já as duas mensagens acima publicadas em 31 de agosto tem 1200 palavras... Então o comentarista escreveu muito mais do que o próprio post em apreço.

      Agora, todos sabemos que já passamos da época medieval onde as pessoas dificilmente tinham liberdade de se expressar por medo oriundo de ameaças de todos os tipos.

      Quem escreve tem que ter responsabilidade com seus atos e mensagens porque, tudo o que escrevemos também é um atestado contra nós próprios.

      Além disso, o sistema do blogger garante aos seus ‘proprietários’ o direito de APAGAR ou NÃO APROVAR qualquer comentário nele feito. Sabe por quê? Porque são os proprietários dos blogs que arcam com o ônus (responsabilidade) por tudo lá que está escrito – inclusive pelos comentários dos outros... Então a essa responsabilidade corresponde o direito de administrar as mensagens.

      Tanto no facebook como no google, se alguém está incomodado com o direito dos proprietários dos posts de apagar isso ou aquilo, que reclame com os administradores do Google ou Facebook. Desculpe mas isso faz parte das regras do ‘jogo’ dessas ferramentas e, antes de entrarmos em um jogo, convém conhecer as regras.

      Obrigado por sua mensagem de equilíbrio.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  12. Prezado Ademir,

    Mais uma vez você demonstra que não age com correção. Você deletou de novo, no seu post, algumas respostas minhas às suas equivocadas opiniões. Prova mais uma vez que não sabe debater com correção e que não age com LEALDADE nesse processo. Você está ficando muito conhecido de fato prezado, é uma pena eu não ter tempo para lhe mandar os comentários a respeito do seu modo de proceder que estão chegando a mim, seria importante você tomar conhecimento de outras opiniões a respeito do que você fez e que não sejam só as do seu pequeno grupo. Você mesmo chamou a atenção de muitos para esse seu modo particular de ser, se apequenou prezado!

    Eu tenho todos os nossos debates, desde o começo, salvos em arquivo,
    tive o cuidado de salva-los para que as pessoas possam conhecê-los e
    analisa-los e a partir daí tirem as suas conclusões ao verem as duas
    opiniões com suas respectivas fundamentações, as minhas e as suas, e então
    possam tirar as suas conclusões. Em breve eu os publicarei com o objetivo de ajudarem a clarear determinadas questões.

    DEBATA COM CORREÇÃO, APRENDA A SER SÉRIO PREZADO!!!

    ResponderExcluir