12 de fevereiro de 2013

Comentários sobre 'Kardec e os Exilados'

"Nos mapas zodiacais, que os astrônomos terrestres compulsam em seus estudos, observa-se desenhada uma grande estrela na constelação do Cocheiro, que recebeu, na Terra, o nome de Cabra ou Capela." (Emmanuel, Ref. 3)
Neste post, alguns comentários são feitos sobre o texto 'Kardec e os Exilados', que faz parte do blog 'Espírito Verdade' (1). Nossa análise não tem como objetivo invalidar as conclusões gerais a que o autor do texto chega com relação à necessidade de cuidados na aceitação das mensagens dos Espíritos.  Certamente, concordamos com a máxima de Kardec:
“Toda teoria em contradição manifesta com o bom-senso, com uma lógica rigorosa, com os dados positivos que possuímos, por mais respeitável que seja o nome que a assine, deve ser rejeitada” (2)
É verdade que devemos ter 'lógica rigorosa' e 'bom-senso' (o que talvez seja mais fácil afirmar do que exercitar na prática). O que pode não ser tão simples fazer é o uso correto dos 'dados positivos' diante dos quais se pode realmente executar uma análise rigorosa. Isso acontece porque o rigor é irmão do conhecimento profundo que, em ciência, só vem depois de anos de estudo e dedicação numa área específica.

Em particular a conclusão específica de 'Kardec e os Exilados', a saber, que é inválida a tese dos (Espíritos) exilados de Capela como apresentado em 'A Caminho da Luz' (3), não pode ser sustentada com base nas afirmações não referenciadas feitas nesse texto.

O livro 'A Caminho a Luz' (3) é uma síntese de seu autor sobre uma possível história para a Terra no passado longínquo. De forma alguma ele é um 'tratado de astronomia estelar' ou livro que pretenda ser científico a revelar mistérios que só cabem aos homens descobrir. Sua proposta é esclarecer moralmente seus leitores, sem pretensões de cientificidade. Por isso, soam inúteis e até ridículos os esforços de invalidá-lo apresentando montanhas de dados técnicos sobre Capela que a ciência presente ainda está analisando, sem chegar a conclusões definitivas. De outra perspectiva, o texto de Emmanuel trata de um tema absolutamente secundário na codificação e que, portanto, não tem consequências para seus princípios gerais.

Nossa conclusão é que o autor de 'Kardec e os Exilados' usa de malabarismos retóricos e não de 'argumentação rigorosa'  na sustentação de sua tese contra o livro de Emmanuel.

 Afirmações questionáveis

Fig. 1 Imagem sintetizada por um interferômetro mostrando o sistema duplo de Capela (alfa Aurigae). Cortesia 'Atlas do Universo'. 1 AU equivale a distância entre a Terra e o Sol.

Em ordem conforme aparecem no texto 'Kardec e os Exilados', comentamos alguns trechos abaixo.
"Segundo especialistas, Capela não tem planetas." (4)
Usando a 'lógica rigorosa' de Kardec, o mais correto é dizer que é hoje impossível saber se o sistema de Capela tem ou não planetas, pois os métodos presentes de detecção só permitem achar planetas com massa a partir de certo valor ou que estejam em condições especiais de alinhamento em relação à Terra (5). O que se sabe sobre o sistema de Capela atualmente é que:
Astrônomos julgam muito difícil detectar um planeta do tipo terrestre na zona habitável desse sistema binário usando métodos presentes. (grifos nossos, 6)
A extrapolação vai além, ao se concluir que:
"mesmo que algum fosse encontrado, nenhuma estabilidade apresentaria que possibilite ­(ou mesmo que tenha possibilitado em bilhões de anos passados) o surgimento de vida." (7)
O 'estabilidade', aqui, refere-se ao planeta. Não há nenhuma referência no texto ao que o autor entende por 'estabilidade'. Seria isso algum tipo de 'estabilidade dinâmica'?  Ou seria ela de outra natureza, por exemplo, química para sustentar a vida orgânica? Se não dispomos de métodos para detectar - mesmo que indiretamente - esse planeta, como podemos saber que ele será instável para a vida?

A tal estabilidade parece ter algo a ver com a questão dinâmica. Mais à frente, o autor de 'Kardec e os Exilados' comenta:
Eles têm ainda por certo que só estrelas simples ocasionam probabilidades para o desenvolvimento de formas orgânicas.(8)
Esta afirmação está desatualizada. Até pouco tempo atrás, alguns astrônomos acreditavam que apenas 'estrelas simples' (leia-se 'estrelas solitárias') teriam planetas, embora simulações dinâmicas mostrassem a possibilidade de existência de planetas em sistemas múltiplos (9). Capela é um sistema duplo (10), o que não impede que ela tenha grande chance de ter planetas, inclusive semelhantes à Terra. A possibilidade presente na ciência é oposta à afirmada pelo autor de 'Kardec e os Exilados':
Durante as fases de gigante combinadas relativamente breves das duas estrelas no presente, entretanto, um planeta poderia orbitar o par Aab desde que longe o suficiente das duas estrelas principais que agiriam como uma fonte gravitacional única e próximas o suficiente para receber energia para sustentar a vida, possivelmente a 12,5 UA de distância da binária. (grifos nossos, 11) 
Como 'vida', no sentido do texto acima, é a vida orgânica, um planeta a 12,5 UA (12) de distância do centro do sistema seria habitável. Portanto, a afirmação:
"Assim, em nome do Espiritismo, não se poderia sustentar que há ou que houve vida num planeta que não existe nem nunca existiu no sistema Capela", (13)
não tem fundamento. O planeta mencionado por Emmanuel pode sim existir. Ainda no texto 'Kardec e os Exilados', complementa o autor:
Capela, porém, é um sistema de nove estrelas (duas principais e mais sete) com tremendas instabilidades de várias ordens.(14)
O que também está em desacordo com os 'fatos positivos'. O sistema de Capela é formado por duas estrelas brilhantes (gigantes amarelas), além de mais duas estrelas anãs muito distantes, localizadas a 11 mil UA de distância do par principal. As outras 'cinco estrelas' a que se refere a Ref. 11 foram talvez resultantes de uma leitura apressada de textos de divulgação astronômica que mostram companheiras do sistema Capela que não estão fisicamente ligadas ao sistema (15). De forma alguma esse sistema é instável, pois a distância do par secundário é grande demais para gerar qualquer instabilidade.

Uma possibilidade para um planeta em Capela


Fig. 2 Concepção artística de Gliese 667C que também serve de ilustração para o sistema de Capela.
Admitida a existência de um planeta na zona habitável de Capela, como seria ele? Somos obrigados também a admitir que esse planeta seria igual à Terra (para suportar vida da única forma orgânica que conhecemos). Com base em previsões 'teóricas' (16), a Fig. 3 traz uma ilustração de uma órbita não excêntrica em torno do par binário de Capela nessa zona habitável. Um tal planeta teria que se localizar à distância de 12,5 UA do centro gravitacional do par principal. Portanto, a 'zona habitável' do planeta dos "capelinos" estaria pouco mais afastada que Saturno (9,5 UA), mas não além de Urano (19,2 UA). Nessa zona, um planeta rochoso como a Terra poderia abrigar vida, pois o nível de radiação que o atingiria seria equivalente ao do Sol, possibilitando temperaturas semelhantes à da Terra. Usando o princípio da constância das condições climáticas para a permanência da vida orgânica, o planeta teria que ter uma órbita aproximadamente circular em torno do par principal, levando cerca de 19,3 anos terrestres para completar uma volta em torno do par principal. Esses valores não são de forma alguma exatos, a zona habitável é, na verdade, um cinturão localizado próximo a essa zona aqui descrita. Visto desde esse planeta, Capela apareceria como dois sóis com brilho total equivalente ao da Terra (Fig. 2). O outro par de estrelas do sistema, por estar muito afastado, brilhariam como estrelas comuns no céu e teriam um movimento aparente muito lento por causa da grande distância de separação. É fascinante antever as perspectivas de vida nesse sistema que dista aproximadamente 42 anos-luz da Terra.

Fig. 3 Ilustração de um JavaApplet disponível na Ref. 5 ilustrando a zona de possibilidade de um planeta habitável no sistema de Capela, possível morada dos capelinos. A ciência presente não dispõe de instrumentos ou métodos de detectar esse planeta. A tabela  apresenta a distância orbital de cada elemento em relação ao centro gravitacional do sistema.
Conclusão

À guisa de conclusão final, consideramos:
  1. É verdade que não existem evidências sobre a existência de um planeta ao redor do sistema de Capela, mas isso ocorre por causa da dificuldade muito grande de sua detecção. Presentemente, a ciência astronômica consegue detectar planetas 'grandes' ou que estejam em condições de alinhamento especiais para sua observação indireta;
  2. Sistemas múltiplos podem portar planetas. De fato, garantidas as condições especiais acima descritas. Por exemplo, já se reportou a descoberta de planetas em sistemas de três estrelas (17);
  3. O sistema de Capela não é 'instável' nem apresenta 'tremendas instabilidades' como afirmado em 'Kardec e os Exilados';
  4. Os relatórios científicos sobre o sistema de Capela e o conhecimento de nossa época (descoberta de inúmeros planetas ao redor de muitas estrelas próximas) são muito mais favoráveis à existência do planeta do que à sua não existência;
  5. Os argumentos apresentados não invalidam assim a existência de um planeta do tipo terrestre no 'sistema de Capela', fato que poderá ser confirmado no futuro, assim que a ciência astronômica evoluir em seus métodos de detecção;
É um princípio importante da Doutrina Espírita que devemos submeter ao crivo da razão, da lógica e do conhecimento positivo o ensinamento dos Espíritos. O 'rigor Kardequiano' pede que se analise com profundidade os dados positivos, sem 'tendenciosismos' de qualquer espécie.

Além disso, também é urgente e ainda mais necessário que esse mesmo critério seja igualmente aplicado aos vivos segundo o corpo, que também podem ser presa de suas próprias ideias por mecanismos ainda desconhecidos de auto mistificação.

Para saber mais: Muitos mundos, muitas vidas: uma heresia que se torna realidade.

Referências

(1) Kardec e os Exilados. Blog espiritoverdade.com.br.
(2) O Evangelho Segundo o Espiritismo. Introdução, II.
(3) A Caminho da Luz. III. As raças adâmicas. 18a edição, FEB.
(4) Ref. 1, 6o parágrafo.
(5) O assunto é muito complexo e não pode ser escopo deste post. Para informações detalhadas ver: Wright J. T., Gaudi B. S. (2012), Exoplanet Detection Methods, arXiv:1210.2471. Essencialmente, há um limite inferior de massa para detecção de planetas e a Terra está na fronteira desse limite. Em particular a Fig. 5 do artigo citado mostra a distribuição de limites de detecção para vários métodos existentes em 2012.
(6) Ver site Capella 4, Sol Company. Texto original em inglês: "Astronomers would find it very difficult to detect an Earth-type planet in the water zone of this binary using present methods."
(7) Ref. 1, 6o. parágrafo.
(8) Ref. 1, 7o. parágrafo.
(9) Graziani, F. & Black, D. C, (1981), Orbital stability constraints on the nature of planetary systems, Astrophysical Journal, Part 1, vol. 251, Dec. 1, p. 337-341.
(10) Esse fato já era conhecido em 1919 com base em observações interferométricas. Interessantemente, em 'A Caminho da Luz' , o Capítulo III tem como subtítulo 'O Sistema de Capela';
(11) Ver site Capella 4, Sol Company. Texto original em inglês: "During the relatively brief, combined giant phases of the two stars at present, however, a planet could orbit the Aab pair far enough out for the two stars to act as a single gravitational source and near enough for it to receive enough energy to sustain life, possibly around 12.5 AUs out from the binary."
(12) 1 Unidade Astronômica equivale à distância entre a Terra e o Sol ou aproximadamente 150 milhões de quilômetros.
(13) Ref. 1, 8o parágrafo.
(14) Ref. 1, 7o parágrafo.
(15) O texto da Wiki para o verbete Capella diz: "In addition to the stars mentioned above, Capella has six additional visual companions—that is, stars which appear to be close to Capella in the sky. However, they are not thought to be physically close to Capella". Outra referência: Burnham's Celestial Handbook: An Observer's Guide to the Universe Beyond the Solar System, Robert Burnham, Courier Dover Publications, 1978, ISBN 0-486-23567-X; ver vol. 1, p. 264;
(16) Isto é, cálculos e suposições que determinam o nível de energia irradiada presente ao redor das estrelas.
(17) 'Novo planeta descoberto em um sistema trinário'. (Universe today). O planeta em Gliese 667C levou cerca de 10 anos para ser achado. Portanto, a descoberta de 'exoplanetas' não é uma atividade trivial.

7 comentários:

  1. Impecáveis conclusões! Chega a ser risível, à luz de um mínimo conhecimento de astronomia, o tipo de argumentação sustentado pela patota antiemmanuelina a respeito deste tema. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola João. Obrigado pelos comentários. Não demorará muito e chegarão a descobrir um planeta no sistema de Capella. Dai, vai ficar difícil sustentar essas opiniões críticas que pensam que Astronomia e Física estão sujeito a debates e pontos de vista como nas ciências humanas...

      Excluir
  2. Infelizmente o texto esta enganado. A nao existencia de um planeta nas condicoes propostas eh baseada em leis fisicas muito mais complexas que as abordadas aqui. Recomendo uma consulta a um astronomo. Veja o texto " os exilados nao sao de capela".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Carlos de Oliveira

      Acho que o Sr é quem não entendeu o texto.

      Nenhum astrônomo sério seria arrogante o suficiente de afirmar ou negar definitivamente a existência de um planeta no sistema de Capela.

      De uma olhada no arquivo de descobertas recentes de exoplanetas pela NASA:

      http://exoplanetarchive.ipac.caltech.edu/cgi-bin/TblView/nph-tblView?app=ExoTbls&config=planets

      até agora foram 1831 planetas CONFIRMADOS em estrelas onde ninguém jamais desconfiaria a existência desses corpos há pouco tempo atrás. São planetas grandes, do tipo de Júpiter, maiores e gasosos.

      Os pequenos (rochosos como a Terra) são pequenos demais para que posssam ser detectados, mas alguns já o foram. O que fizemos aqui foi chamar a atenção para o possível ridículo que alguns céticos se expõem ao querer usar a autoridade da astronomia de hoje (2015) na negação desse sistema, se a astronomia ainda não deu a última palavra sobre a questão, simplesmente por uma questão de limitação de técnica de detecção.

      Excluir
  3. E, voce nao leu o texto que recomendei. Trata-se de uma analise feita por um astrofisico espirita mostrando a impossibilidade da proposta de Emmanuel. Mas o livro A Caminho da Luz apresenta uma serie de outras incoerencias cientificas muito piores. Biologia, geologia, sociologia, historia, dentre outras ciencias sao atingidas. Impressiona como uma obra com tantas incoerencias cientificas seja aceita por uma doutrina que diz ser ciencia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos eu é que acho que vc não entendeu o que escrevi. Mas vejo que muita gente toma em alta conta esse texto de Emmanuel, de outra forma, não perderiam tanto tempo em refutá-lo. Penso tb que, se Emmanuel pretendesse fosse ele um texto científico, provavelmente teria pedido sua publicação em alguma revista especializada, o que não foi o caso. Agora, se isso ainda não é convincente, peça ao seu astrofísico espírita para analisar com profundidade "A Gênese" de Kardec e ver se ele concordo integralmente com o que está lá. Acredito que o mesmo critério de autoridade (que é uma falácia na verdade) que vc usa para analisar o texto aqui também serve para analisar o texto de Kardec.

      Excluir
  4. O texto " os exilados nao sao de capela", refere-se a mesma distância do planeta terra com a distância do planeta para as estrelas binárias, por isso a vida como na Terra não teria como existir devido a alta temperatura e radiação. Se a distância for diferente e tiver a mesma temperatura é o que o texto acima refere-se. A maioria fala na chamada zona habitável, mas se os seres não fossem humanos como nós?? tivessem outra classe, lembrando que os espíritos podem estar contidos em envoltórios de todo tipo.

    ResponderExcluir